Rio Grande do Sul e Capital

O Rio Grande do Sul é um Estado que tem tudo para você aproveitar o ano todo. Com opções de turismo durante o ano inteiro e atrações turísticas em todas as épocas do ano.

Do Litoral à Serra, das Missões aos Pampas, passando pelos Parques Naturais, você desfruta de paisagens inesquecíveis e de momentos singulares, além disso, há a oportunidade de conhecer a nossa cultura regional, caracterizada por ser muito rica na sua diversidade, pois mantém o convívio de tradições com o estilo de vida moderna.

O Rio Grande do Sul é um destino completo para jovens, casais, terceira idade, famílias, aventureiros e para todos que buscam bem-estar e lazer. O Estado oferece ao visitante, a elegância da Serra, a beleza do Litoral, a variedade da Capital, as belas paisagens dos Parques Naturais, a tradição dos Pampas, a alegria dos Eventos e também a história das Missões.

Porto Alegre

Quem nas ruas de Porto Alegre circula, espanta-se com a perenidade de sua vegetação, de seus morros e lago; deleita-se com a perdurância de seus prédios históricos - guardiões de memórias - e admira-se com a freqüência dos encontros nas calçadas.

Agrega-se a esse cenário, onde o tempo parece ter parado, o vai-e-vem acelerado da cidade; a arquitetura ícone da modernidade e a heterogeneidade cultural - atributos da estética dos grandes centros urbanos.

Capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre possui uma localização privilegiada. Ponto estratégico dentro do Mercosul, é centro geográfico das principais rotas do Cone Sul, eqüidistante tanto de Buenos Aires e de Montevidéu, quanto de São Paulo e do Rio de Janeiro. Para quem chega em terras gaúchas Porto Alegre é a porta de entrada para os principais atrativos turísticos da região.

Região das Hortênsias

Com mais de 30 mil leitos na região e espaços para eventos em todas as cidades ao redor de Gramado, carro chefe do turismo na Serra Gaúcha, a região das hortênsias está extremamente preparada para atender aos mais complexos eventos.

Gramado

O terceiro destino mais desejado do Brasil, Gramado encanta com suas ruas floridas, com os detalhes de sua arquitetura e hospitalidade.

Gramado é um shopping a céu aberto. Produtos com a cara da cidade, como chocolates caseiros, malhas, móveis, artesanato, couro e produtos coloniais estão por toda parte.

A cidade oferece verdadeiros espetáculos, que fazem brilhar os olhos - o Natal Luz, um dos maiores eventos natalinos no mundo, encanta com shows de fogos, som e luzes, além dos emocionantes desfiles.

A região possui um interior rico em paisagens ainda inexploradas, compostas por vales, rios e cachoeiras e cada recanto conta um pouco da história da cidade, preservada pelos descendentes dos colonizadores alemães e italianos.

Canela

Nos cenários naturais e perfeitos com belezas exuberantes, há um toque refinado de calor humano deste povo que harmoniza a modernidade com a preservação constante da natureza.

Canela tornou-se uma das cidades mais procuradas do Brasil para o turismo, sendo famosa por sua preocupação ecológica, pelos seus parques naturais, pelo clima ameno e tradições européias. Destacam-se também os espetáculos de música, dança, teatro e o Sonho de Natal.

Nova Petrópolis

A paisagem tira o fôlego, mas a hospitalidade devolve. Assim é Nova Petrópolis, localizada no Jardim da Serra Gaúcha, no Rio Grande do Sul.

Basta subir a Serra para vivenciar um descortinar de lindas paisagens, um lindo raiar do sol, neblina e até neve. Os jardins são floridos o ano inteiro, o que faz com que a cidade ofereça turismo nas quatro estações do ano.

A leveza dos plátanos misturadas ao colorido das hortênsias e azaléias fazem um composé com as mais diversas flores e cores, É a alma florescendo nas quatro estações renovando o ciclo da vida.

Região dos Vinhedos

Essa região representa a história cultural e gastronômica deixada pelos imigrantes italianos, em perfeita harmonia com as modernas tecnologias para produção de uva, vinhos finos e infraestrutura turística de alta qualidade.

Com paisagens incríveis, que apresentam diferentes tonalidades nas quatro estações do ano, toda essa região encanta também pela hospitalidade de seus moradores e pela qualidade dos serviços e produtos oferecidos.

Caxias do Sul

A história de Caxias do Sul começa antes dos italianos, ainda quando a região era percorrida por tropeiros, ocupada por índios e chamada "Campo dos Bugres". A ocupação por imigrantes italianos, em sua maioria camponeses da região do Vêneto ( Itália ), deu-se a partir de 1875, localizando-se em Nova Milano. Estes, por sua vez, buscavam um lugar melhor para viver. No entanto, encontraram lombardos, trentinos e outros. Embora tivessem ganho auxílio do governo, ferramentas, alimentação e sementes, esse mesmo auxílio teve que ser reembolsado aos cofres públicos.

Dois anos após, a sede da colônia do Campo dos Bugres recebeu a denominação de Colônia de Caxias. No dia 20 de junho de 1890 foi então criado o Município, e a 24 de agosto do mesmo ano, foi efetivada a sua instalação. Vários ciclos econômicos marcaram a evolução do Município ao longo deste século. O primeiro deles está ligado ao traço mais forte da sua identidade: o Cultivo da Videira e a Produção de Vinho. Num primeiro momento, para consumo próprio e, mais adiante, para comercialização.

No dia 1º de junho de 1910 Caxias foi elevada à categoria de cidade e, neste mesmo dia, chegava o primeiro trem, ligando a região à capital do Estado. Os imigrantes eram agricultores, porém, muitos deles possuíam outras profissões. Instalaram-se na região, urbanizando-a e dando início a um acelerado processo industrial.

Na zona rural instala-se a agricultura de subsistência, que se concentra na produção de uva, trigo e milho, começando a industrialização em nível doméstico. Todo o excedente era comercializado. No início, a uva e o trigo. Com o correr do tempo, há diversificação da indústria caseira para, juntamente com o processo humano da colônia, acontecer a ampliação do leque de manufaturados. Das pequenas oficinas caseiras às grandes indústrias hoje, internacionalmente conhecidas.

Em 1967 é criada a Universidade de Caxias do Sul, núcleo da cultura sistematizada.

Caxias do Sul é hoje, o pólo centralizador da região mais diversificada do Brasil, com seus laboriosos colonos, seus vastos parreirais, suas vinícolas, seu variado parque industrial e um comércio rico e dinâmico, o que dá a essa terra uma dimensão ainda maior, razão pela qual "Caxias do Sul", a "Capital da Montanha", a "Pérola das Colônias", a "Colméia do Trabalho" é, por si só, o pólo centralizador da marca italiana no sul do Brasil.

Bento Gonçalves

Em 1875 inicia a imigração italiana na Encosta Superior do Nordeste, originando as Colônias de Dona Isabel (hoje Bento Gonçalves), Conde D` Eu (hoje Garibaldi) e Nova Palmira (hoje Caxias do Sul).

A Colônia Dona Isabel (Bento Gonçalves), criada em 1870, já era conhecida como Região da Cruzinha, devido a uma cruz rústica, cravada sobre a sepultura de um possível tropeiro ou traçador de lotes coloniais. Era época do escambo, da troca de mercadoria por mercadoria. A Colônia Dona Isabel sediava um pequeno comércio no qual os tropeiros faziam paradas para descanso.

Em 24 de dezembro de 1875, os núcleos do Planalto começaram a receber novos imigrantes e em março de 1876, o Presidente do Estado José Antonio de Azevedo Castro, anunciava a existência de 348 lotes medidos e demarcados e uma população de 790 pessoas, sendo 729 italianos. Simultaneamente pioneiros oriundos do Tirol Austríaco e Vêneto chegaram à esplanada onde hoje está situada a Igreja Matriz Cristo Rei.

A troca, compra e venda de produtos era feita na sede da colônia, após longas caminhadas por estreitas picadas (trilhas abertas no meio da mata) demarcadas pelos próprios imigrantes. Entre os imigrantes havia ferreiros, sapateiros, marceneiros, alfaiates, carpinteiros, entre outros profissionais que estabeleceram seus negócios dentro de suas especialidades, atendendo às necessidades locais. O surgimento das construções das casas, os instrumentos de trabalho e o mercado foram acompanhando o desenvolvimento de Colônia Dona Isabel e também as exigências que se apresentavam.

Frente ao desenvolvimento as condições das estradas foram melhorando e surgiram as primeiras carretas. Em cinco anos, houve um acréscimo de quatro mil habitantes, entre nascimentos e novos imigrantes.

Em 1881 inicia a abertura da primeira estrada de rodagem ligando a Colônia Dona Isabel a São Jõao de Montenegro (hoje Montenegro). O início do povoamento foi marcado por inúmeras dificuldades. Em 1877 a Colônia Dona Isabel sediava três casas comerciais, duas padarias, uma fábrica de chapéus e um total de 40 casas comerciais que ofereciam serviços e produtos diversos em todo o território da colônia.

O desmembramento da Colônia Dona Isabel do município de Montenegro, foi oficializado pelo ‘Acto’ 474, de 11 de outubro de 1890, assinado por Cândido Costa, que constituiu o município de Bento Gonçalves. O nome foi dado em homenagem ao general Bento Gonçalves da Silva, chefe da Revolução Farroupilha, ocorrida no Rio Grande do Sul de 1835 a 1845.

Bento Gonçalves deu seu primeiro impulso de progresso com a vinda da agência do Banco Nacional do Comércio e Banco de Pelotas. Entre os anos de 1919 e 1927 ocorrem a instalação da luz elétrica, da estação transformadora e da rede de distribuição. É também inaugurado o Hospital Dr.Bartholomeu Tacchini.

Em 1950 a população era de 22.600 habitantes. As principais atividades econômicas eram as do setor agrícola. Contudo, começaram a surgir várias indústrias, como de acordeões, laticínios, móveis, curtume, fábrica de sulfato e vinícolas. Em 1967 Bento Gonçalves passa por uma grande transformação, considerada um marco histórico.

Com a colaboração de dinâmicas lideranças e a ajuda de toda a comunidade, surge a I Fenavinho, a Festa Nacional do Vinho. O município foi visitado pela primeira vez por um Presidente da República, o Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco. O principal produto e a força da economia de Bento Gonçalves foram divulgados em todo o Brasil, tornando a cidade conhecida nacional e internacionalmente. O município descobre a sua vocação para o turismo de negócios e começa a sediar eventos de grande porte, como Fenavinho, Expobento, Fimma e Fiema.

Atualmente Bento Gonçalves conta com uma população de mais de 100 mil habitantes, e Produto Interno Bruto de R$ 2.015.000,00 (ano de 2004). A cidade é reconhecida como um dos maiores pólos moveleiros do sul do Brasil. O pavilhão do Parque de Eventos, onde aconteceu a I Fenavinho em 1967, hoje conta com 50.000m² de área construída totalmente climatizada, competindo com o Parque do Anhembi, em São Paulo. A cidade se constitui num atrativo de Eventos Internacionais.

Garibaldi

O município de Garibaldi localiza-se na Encosta Superior do Nordeste do Rio Grande do Sul, a 110 quilômetros de Porto Alegre, com uma altitude de 640 metros. A população é de 32.578 habitantes. Garibaldi pertence à 1ª Colônia da Imigração Italiana, integrando a Região Uva e Vinho da Serra Gaúcha e o Vale dos Vinhedos. É reconhecida como a Capital Brasileira do Espumante devido ao pioneirismo e qualidade de seus vinhos e espumantes.

A cidade, com um charme especial, guarda as características de um ambiente tranquilo, com uma paisagem bucólica que lhe dá um ar particularmente distinto do nosso tempo.

Carregando

Use as setas direcionais (← e →) para navegar entre as fotos. Use ESC para sair.

X